APOSTILA

TADU           / Técnicas Avançadas de Defesa Urbana

APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO
APOSTILA ORIGINAL DO PRATICANTE DE PÓLIC KOMBAT MMA

1- Desenvolvimento do PÓLIC KOMBAT:

        

          TÉCNICAS AVANÇADAS DE DEFESA     .URBANA.  Marília/SP

   Tel(14)9726-6999

E-mail:.julio@tadu.com.br

Matriz: Rua: Vitório Giroto, 232

Oscar Bressane

e-mail:tadu@tadu.com.br – Centro

site:www.tadu.com.br

Foi criado pelo Professor Julio Mesquita da Silva (Policial Militar e Professor de Defesa Pessoal desta corporação, faixa preta de Karatê, Shorin ryu e kiokushin- kai, Pós graduado em Fisiologia e Docência no Ensino Superior, Especializações no BOPE e CAT/ SWAT) como um sistema de aperfeiçoamento, exclusivo para graduados nos cursos “DEFESA URBANA” e “CONTENÇÃO HOSPITALAR” sob a coordenação da organização TADU (Técnicas Avançadas de Defesa Urbana) com o significado de (POLI= vários estilos de artes Marciais) e  (C  de Combate Corporal), porem devido a grande procura foi expandido para todos sem exceção, salvo com restrições médica, professor responsável ou direção.        .       O PÓLIC KOMBAT deverá ser realizado em academias ou locais específicos de acordo com autorização da organização expressa por Alvará e graduação do instrutor.
É uma defesa pessoal, com ginástica especifica para o desenvolvimento de “um corpo forte, uma mente sadia e um coração voltado a DEUS”.

Figura 2. Prof Julio e Dragões (Símbolo do Faixa Preta)

“Vitorioso não é aquele que vence os outros e sim aquele que vence a si  mesmo dominando seus vícios e Superando seus defeitos”

___________________________________________________________________________

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

TADU – (Técnicas Avançadas de Defesa Urbana)

ARTES MARCIAIS

 

PÓLIC  K O M B A T MMA      Trabalho exclusivo de praticantes da Arte Pólic Kombat, apresentado aos alunos supervisionado pela organização TADU “Técnicas Avançadas de Defesa Urbana” – Marília SP, sob a supervisão do Prof. Julio Mesquita da Silva, como objetivo formação de alunos Faixa Preta de Pólic Kombat.

MARÍLIA – 02/08/2008

 

 

DEDICATÓRIA

 Aos meus alunos pertencentes a esta organização (TADU) em especial aos amigos ESTAGIARIOS, PROFESSORES, SENSEIS E MESTRES, que se dedicam fazendo de nossa arte um estilo de vida, aos meus amados pais, Iracema de Mesquita da Silva e Arlindo Francisco da Silva, pelo amor e a educação transmitida e o esforço para criar, não só a mim, mas também meus irmãos Junior Mesquita da Silva e Juliano Mesquita da Silva a quem eu dedico todas minhas vitórias. As minhas amadas filhas Camila Mesquita e Natalia Mesquita que me dão forças para continuar a batalha da vida e vontade de vencer. Aos meus sobrinhos Leonardo, Ana Carolina E Ana Julia, que estão sempre próximos fazendo parte da minha vida.

  

E o processo da educação é “cortar, esculpir, talhar, polir” como o que fazemos com o jade. Portanto, é preciso que os mestres conheçam bem cada um de seus discípulos, para que desenvolvam, em cada um deles, os saberes que mais lhes são apropriados. Assim como é importante conhecer cada peça de jade (a densidade, a dureza, o tamanho, a cor, etc.) para poder decidir o que fazer dela (um vaso ritual, um cálice, um colar, uma pulseira, etc.), lapidar do melhor modo para aproveitar o máximo de cada peça.

                                                                                                             .                                                                    Confúcio

 

 SUMÁRIO

 1. INTRODUÇÃO desenvolvimento do PÓLIC KOMBAT……………………..01 

  1. Oração do Guerreiro………………………………………………………………………………08
  2. Finalidade / Objetivo………………………………………………………………………………09
  3. Matricula………………………………………………………………………………………………..10
  4. Regulamento……………………………………………………………………………………………11
  5. Ginástica resistida…………………………………………………………………………………13
  6. Alongamento de solo……………………………………………………………………………..15
  7. Ginástica combate……………………………………………………………………………….17
  8. Massagem relaxante…………………………………………………………………………….19
  9. Ginástica Aero-pólic…………………………………………………………………………….21
  10. Ginástica Aero-pólic……………………………………………………………………………22
  11. Vocabulário………………………………………………………………………………………….23
  12. Normas de arbitragem………………………………………………………………………..26
  13. Principais posições……………………………………………………………………………..29
  14. Principais socos………………………………………………………………………………….29
  15. Principais chutes………………………………………………………………………………..30
  16. Principais esquivas……………………………………………………………………………..31
  17. Principais defesas……………………………………………………………………………….31
  18. Aplicações de combate………………………………………………………………………..32
  19. Aplicação de Tonfa……………………………………………………………………………..33
    • -1ª Aplicação de Tonfa……………………………………………………………………33
    • -2ª Aplicação de Tonfa…………………………………………………………………..33
    • -3ª Aplicação de Tonfa…………………………………………………………………..33

 

 

  1. KATA (KO-BUDO)……………………………………………………………………..33
    • Kata Tonfa it………………………………………………………………………….33
    • Kata Tonfa ni………………………………………………………………………….33
    • Kata Tonfa san………………………………………………………………………34

 

  • Kata Bastão it……………………………………………………………………34
  • Kata Bastão ni………………………………………………………………….34
  • Kata Bastão san………………………………………………………………..34
  • Kata Nunchako it………………………………………………………………35
  • Kata Nunchako ni……………………………………………………………35
  • Kata Nunchaco san…………………………………………………………35
  1. Defesa contra arma branca………………………………………………………………….36
  2. Defesa contra faca……………………………………………………………………………….36
  3. Defesa contra arma de fogo………………………………………………………………….36
  4. Treino de contato…………………………………………………………………………………37
  5. Das lutas……………………………………………………………………………………………..37
  6. História……………………………………………………………………………………………….39
    • A origem de Artes Marciais………………………………………..39
    • No Brasil…………………………………………………………………….46
    • Coliseu……………………………………………………………………….46
    • Decoração tradicional…………………………………………………47
    • Significado, crença e religião………………………………………49
  7. Requisitos para exame de graduação de Faixa Branca 2º Grau……………54
  8. Requisitos para exame de graduação de Faixa Azul 1º Grau………….. …..54
  9. Requisitos para exame de graduação de Faixa Azul 2º Grau………………..55
  10. Requisitos para exame de graduação de Faixa Verde 1º Grau……………..55
  11. Requisitos para exame de graduação de Faixa Verde 2º Grau……………..55
  12. Requisitos para exame de graduação de Faixa Roxa 1º Grau………………56
  13. Requisitos para exame de graduação de Faixa Roxa 2º Grau………………56
  14. Requisitos para exame de graduação de Faixa Marron 1º Grau………….57
  15. Requisitos para exame de graduação de Faixa Marron 2º Grau………….58
  16. Requisitos para exame de graduação de Faixa Preta 1º Dan………………..58
  17. Observações Gerais…………………………………………………………………….59
  18. Da Direção………………………………………………………………………………….60

 

 

LISTA DE FIGURAS

Figura 1. Logo Pólic Kombat……………………………………………………………………….01

Figura 2. Professor Julio Mesquita com o símbolo do Faixa Preta…………………01

Figura 3. Símbolo do Pólic Kombat………………………………………………………………08

Figura 4. VII- Defesa Urbana……………………………………………………………………….10

Figura 5. Alongamento posições……………………………………………………………………14

Figura 6. Alongamento de solo………………………………………………………………………16

Figura 7. Defesa Urbana………………………………………………………………………………..18

Figura 8. Massagem………………………………………………………………………………………19

Figura 9. Músculos de membros inferiores…………………………………………………….19

Figura 10. Pólic Kombat “brasão”…………………………………………………………………20

Figura 11. Tatame oficial para campeonato e normas…………………………………….26

Figura 12. Posição de seiza…………………………………………………………………………….29

Figura 13. Posição de espera………………………………………………………………………….29

Figura 14. Posição bote …………………………………………………………………………………29

Figura 15. Posição de combate………………………………………………………………………29

Figura 16. Soco alto………………………………………………………………………………………29

Figura 17. Soco Médio…………………………………………………………………………………..29

Figura 18. Soco baixo…………………………………………………………………………………….29

Figura 19. Soco cruzado…………………………………………………………………………………29

Figura 20. Soco gancho…………………………………………………………………………………..29

Figura 21. Chute frontal…………………………………………………………………………………30

Figura 22. Chute lateral………………………………………………………………………………….30

Figura 23. Chute circular………………………………………………………………………………..30 Figura 24. Chute giratório……………………………………………………………………………….30

Figura 25. Chute bote………………………………………………………………………………………30

Figura 26. Defesa alta………………………………………………………………………………………31

Figura 27. Defesa baixa…………………………………………………………………………………….31

Figura 28. Defesa para dentro…………………………………………………………………………..31

Figura 29. Defesa para fora………………………………………………………………………………31

Figura 30. Pioneiros Defesa Urbana.(Julio, José Carlos, Samuel, Juliano, Fabiano e Junior)..36

Figura 31. Posição de ataque……………………………………………………………………………44

Figura 32. Monges Chineses…………………………………………………………………………….45

 

————–

PÓLIC KOMBAT – 

  1. 2.

    ORAÇÃO DO GUERREIRO                                          

Ó senhor meu DEUS,

Daí me apenas aquilo que vos resta: 

Daí me o medo,

Daí me a fome!  

Daí me o frio,

Daí me a sede!  

Mas daí me acima de tudo:  

A fé,

A força,

A coragem 

E a vontade de vencer!

Uns tem mas não podem,                                 

Outros podem mas não tem

Nós que temos e podemos               Figura 3.Logo Pólic Kombat

 

Agradecemos ao Senhor!

SALVE OS ALUNOS DO PÓLIC KOMBAT

                                                                                 Prof. Julio Mesquita da Silva

 

                                                                 Marilia 13-12-07

 

3- Finalidade / Objetivo:

 

a- Criar uma auto defesa e controle psicológico, diante de um combate

corporal ou situação que assim exija; b- Orientação na prevenção do sedentarismo; c- Relatar os males do álcool, fumo e drogas; d- Defesa Pessoal visando a disciplina, como agir e priorizar a

negociação e quando agir; e- Executar alongamentos visando a correção de postura, evitando

problemas de coluna e indisposições; f-  Ginástica completa que torne possível detectar e sanar possíveis

problemas causados pelo sedentarismo; g- Modalidade de aero kombat, visando um trabalho aeróbico onde há mistura de música com dança e luta, tornando a aula agradável e visar principalmente a resistência e o bom funcionamento do aparelho respiratório, circulatório e cardíaco; h- Modalidade Pólic Jump, tera como principal objetivo grande perda calorica proporcinando uma manutenção na parte muscular, equilibrio e coordenação motora;

R

“Só a Humildade lhe ajudará encontrar a Sabedoria e a Perfeição”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM

CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

4- Matrícula:

 

  • Todos, com autorização da Direção e que já participaram do curso

Defesa Urbana ou Contenção Hospitalar;

  • Não haverá distinção de sexo ou capacidades físicas, salvo com restrições médicas. Todos poderão participar sem distinção de sexo, idade ou capacidades físicas;
  • A matricula devera ser padronizada, contendo nome completo, data de nascimento endereço, telefone residencial e comercial, profissão e-mail.
  • O aluno deverá estar com suas responsabilidades em dia e assinar o termo de responsabilidade e sigilo, além de tomar ciência do regulamento TADU.

 

Figura 9. VII- Curso DEFEASA URBANA – 2007

 

“Quando tiver a humildade de reconhecer que nem tudo você sabe terá feito o primeiro progresso”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 5-  Regulamento:

 

Preservando as tradições das artes marciais e assegurando que nossas aulas transcorram com paz harmonia apresento o seguinte regulamento que devera ser obedecido por todos sem distinção.

Art. 1º- É proibido entrar na academia ou locais destinados ao curso portando qualquer tipo de arma, seja ela de fogo ou branca, salvo em caso previsto em lei ou autorização.

Art. 2º- Os alunos deverão ser pontuais nas aulas e nos compromissos pessoais;

Art. 3º- Os praticantes deverão manter o bom comportamento principalmente no local das aulas e em suas imediações;

Art. 4º- É proibido fumar ou manter cigarros, cigarrilhas, charutos ou cachimbo dentro do local de treino;

Art. 5º- Os alunos não deverão trazer para os locais de treino pessoas de conduta duvidosa;

Art. 6º- Não será permitido pessoas assistindo, filmagens durante os treinos, aulas ou cursos, salvo com autorização da direção;

Art. 7º- É proibido causar brigas ou criar distúrbio nos locais de treinos ou imediações;

Art. 8º- É proibido lutar ou usar técnicas arriscadas, mortais ou de contato pleno fora do horário estipulado para esta pratica;

Art. 9º- Os alunos deverão tratar seus mestres, professores, alunos ou pessoas que estiverem no local com respeito e educação;

Art. 10º- Não haverá isenção das taxas estipuladas;

Art. 11º- Os praticantes deverão usar as técnicas evitando provocar ferimentos nos companheiros de treino;

Art. 12º- Durante o treino todos deverão fazer silencio aproveitando ao Máximo a aula;

Art. 13º- Os atletas não deverão participar de torneios ou apresentações sem autorização do professor responsável;

Art. 14º-  Os atletas não deveram fazer, provocar ou aceitar desafios de praticantes de outra modalidade;

Art. 15º- Aquele que não possuir registro na organização poderá ser punido até por lei vigente no país;

Art. 16º- Os casos não previstos neste regulamento serão resolvidos pela direção;

Art. 17º- O não cumprimento deste regulamento, acarretara em advertência e até expulsão do curso, sem reembolso do valor pago conforme contrato de matricula.

Este regulamento entra em vigor a partir de sua

publicação.

Julio Mesquita da Silva

Marília, 26 de fevereiro de 1996.

“Se você se sente só é porque construiu muros ao seu redor ao invés de pontes ”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM

CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

6–   Ginástica resistência, (1ª ginástica Pólic):

  1. Caminhar em torno do tatame, aumentando a intensidade

até começar a corrida de baixa intensidade. (Respeitar o limite de cada um);

  1. Correr elevando o joelho, calcanhar;

(Alunos impossibilitados continuam caminhando)

  1. Correr lateralmente, lado oposto e alternando;
  2. Correr cruzando o pé pela frente, por trás e alternando;
  3. Correr com salto bloqueio, elevando o joelho, girando para
  • Lado oposto, giro completo e correr na mesma direção;
    1. Volta realizando o agachamento, andando saltitando,

Saltando lateralmente calejando o kem, andando segurando o calcanhar, idem de costa;

(Atentar para problemas no joelho e na coluna)

  1. Andando volta um tipo de soco com contagem até 10 (rosto, abdome, genital, duplo rosto, abdome e genital, contagem de 3 socos e duplo completo)

(Deverá ser usada contagem em idioma Japonês para facilitar o treino).

  1. Inicia-se o alongamento, pés na largura do ombro, mãos na

cintura, flexionar pescoço, frente e atrás, laterais, girando.

  1. Para um melhor resultado, seguramos durante 15 segundos a

cabeça flexionando para frente, após para traz, lado direito, lodo esquerdo.

  1. Girar braços para aquecer a articulação do ombro, frente e

trás;

  1. Puxar braços nas laterais, alongando o ombro, mãos por

cima da cabeça, alongando região do dorso;

  1. Girar tronco duplo, perna esquerda a frente mão direita

sobre a coxa e mão esquerda gira alongando o tronco; idem o outro lado;

  1. No mesmo posicionamento, mão direita no solo e

esquerda gira;

  1. No mesmo posicionamento, flexionar a frente para alongar
  • quadríceps, após flexionar alongando o tornozelo com pé plantado no chão;

 

  1. Alongamento de pernas lateral e frontal.
  2. Alongar tornozelo, quatro tempos, girar pés horário

e ant- horário;
Figura 5. Alongamento (l)                  Figura 5. Alongamento (m)

“É mais fácil vencer um mal habito hoje que amanha”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

 

7-  Alongamento de solo, 2ª ginástica Pólic;

  1. Em posição de seiza, é realizado o cumprimento (Otogai

ni rei), (Sensei ni rei) e (Buno kamissamani rei)

  1. Alongamento de pescoço segurando, frente, tras, laterais;
  2. Mãos entrelaçadas alongar dedos e ante-braço;
  3. Girar braços frente cinco vezes e para tras; (aquecendo a

articulação);

  1. Estender o tronco a frente colocar as mãos no solo e sentar

nos calcanhares, flexionar ombros;

  1. Braços abertos flexionar ombros lateralmente;
  2. Mãos voltadas para trás flexionar pulso;
  3. Mãos no tatame, braço direito é colocado por baixo do

braço esquerdo e flexiona; (alongando a região dorsal), idem lado esquerdo;

  1. Apoio de solo mão aberta, mão com dedos indicadores e

polegares unidos (formando um triangulo) fortalecendo antebraço, dedos maiores unidos fortalecendo tríceps, mão fechada calejando kem, pontas de dedos e finaliza com punho no solo. (atentar para capacidades de cada um).

  1. Volta a posição estendendo-se até a posição decúbito

ventral;

  1. Mão paralela ao ombro, eleva-se o tronco alongando o

abdome;

  1. Segura a perna direita olhando para o lado oposto, idem

outro lado, após segura-se as duas perna; (alongando o quadríceps)

  1. Flexiona a perna direita o tronco permanece no solo e gira

o quadril até o pé tocar no solo, idem outro lado;

  1. Eleva-se o joelho na lateral do tronco até o limite, idem o

outro lado.

  1. Idem estendo a perna, idem outro lado;
  2. Idem os dois lados, chegando no limite levanta-se

executando abertura frontal e abertura lateral e senta-se ainda com as pernas abertas;

  1. Na posição sentada, segura pé direito, pé esquerdo e

frente;

  1. Flexiona perna esquerda e segura pé direito com a m ao

alternada, idem outro lado;

  1. Segurando a planta do pé e eleva, idem outro lado;
  2. Une as pernas executando a contagem, 2 frente, abre e 2

lado esquerdo, 2 lado direito, 2 atrás girando tronco lado direito, 2 atrás girando tronco lado esquerdo;

  1. Flexiona as pernas unindo os pés (borboleta);
  2. Sobrepõe pé direito sobre a coxa esquerda e flexiona, idem

outro lado;

  1. Senta sobre o pé direito e coloca o pé esquerdo sobre a

coxa esquerda e vice versa;

  1. Relaxa e executa o abdominal 2 a 2, meia altura ou

tesoura;

  1. Posição decúbito dorsal segura a perna direita, esquerda,

ambas; (alongando a região do dorso);

  1. Volta com os pés no solo, mão paralela ao tronco eleva o

abdome;  aa. Sobrepõe pé direito sobre a coxa esquerda empurra, idem

outro lado; bb. Sobrepõe pé direito sobre a coxa esquerda, puxa a coxa a

coxa esquerda, idem outro lado; cc. Sobrepõe o pé direito sobre a coxa esquerda, gira o quadril

até o pé tocar no solo; dd. 1 minuto de relaxamento para finalizar; (neste um minuto

pode se contar uma história, algo do Pólic ou esvaziar a mente (meditar).

bb

Figura 6. Alongamento (aa)               Figura 6.1 Alongamento (bb)

cc

Figura 6.2 Alongamento (cc)

 

8 Ginástica Combate (aquecimento, alongamento, correção postural e perda calórica) 3ª ginástica Pólic:

  1. Os alunos em forma;
  2. Em posição de joelho executa cumprimento mútuo em seguida uma oração;
  3. Pular em posição de luta;
  4. Saltitar com pontas de pé no chão enrijecendo gastrocnêmico (aquecer

e aumentar o batimento cardíaco);

  1. Mãos na cintura abrindo e fechando as pernas;
  2. Mãos na cintura pernas para frente e para trás;
  3. Polichinelo;
  4. Polichinelo invertido; (pernas frente e trás e braços abrindo e fechando;
  5. Relaxa, pés paralelo alongar pescoço (frente, trás, lateral e girando)
  6. Alongar dedos e ante braços, dedos entrelaçados estende a frente

(todos dedos devem serem alongados)

  1. Girar tronco duplo com braços relaxando;
  2. Abraçar o joelho direito, idem esquerdo;
  3. Segurar por trás pé direito, com a mão esquerda (coluna deve ficar

estabilizada), idem outro lado;

  1. Abrir pernas alongar segurando pés direito e esquerdo e a frente;
  2. Pé direito atrás estender pernas a frente, idem outro lado;
  3. Girar pernas no sentido horário e anti horário;
  4. Relaxar pulando lateral;
  5. Volta saltitando;
  6. Posição de luta;
  7. Trocar base;
  8. Soco direto (mão da frente)
  9. Soco alternado (mão de trás)
  10. Soco duplo;
  11. Dois adversários frente e traz;.
  12. Quatro adversários…nas laterais;
  13. Chute frontal; aa. Chute lateral; bb.        Chute circular; cc.      Chute circular e lateral; dd.             Chute circular, lateral, gira e frontal com salto; ee.          Relaxar saltitando.

 

Www.tadu.com.br
 

Figura 7.Defesa Urbana

 

“Você quer ser feliz por um instante?

Vingue-se!

Você quer ser feliz para sempre? Perdoe”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

9- Massagem relaxante, 4ª Ginástica Pólic:

  • Sentado com polegares apertar sola dos pés conforme escala do organismo;

Massagear os pontos certos pode garantir alívio e bem-estar. Identifique essas áreas e transforme a reflexologia em rotina.

 Figura 8.Pontos de massagem nos pés.

 Massagear gastronêmio, puxando a energia do solo, sempre de baixo para cima;

  • Massagem sobre a coxa, em baixo, idem outro lado;

 Figura 9. Músculos MMII

 

  • Massagear braços parte superior e inferior; e- Pernas cruzadas, massagear costelas (inferior); f- Deitar em decúbito dorsal, verificar postura na posição, alongar pescoço; (auxilio do professor). g- Girar tronco superior; auxilio do professor.

h- Decúbito ventral, segurar pernas elevar pisando no cócs; i- Relaxar dorso e empurrar;

j- Relaxar por um minuto no chão; após levantar devagar.

 

É importante observar possíveis problemas de postura e faixa etária.

 

                                Www.tadu.com.br

Figura 10. Imagem Pólic Kombat

“Pra que contar vantagem, ser pedra é fácil, o difícil é ser vidraça”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

10-  l Ginástica Aero Pólic (som Aero-pólic 1) 5ª Ginástica

Pólic:

  1. Alonga-se pescoço (frente, trás, lateral e girando)
  2. Gira tronco relaxando braços;
  3. Segura braço na lateral alongando dorso superior;
  4. Segura braço por cima alongando dorso inferior;
  5. Pernas abertas, eleva braço direito e cai para lateral, idem outro lado;
  6. Abraçar joelho direito, idem esquerdo;
  7. Puxar pernas atrás; idem esquerda;
  8. Mãos entrelaçadas em cima girar horário e ante horário;
  9. Tornozelo 4 tempos;
  10. –Musica nº 1 correndo no lugar;
  11. Passo duplo, direito e esquerdo.
  12. Relaxar perna soltando pés nas laterais;
  13. Idem duplo;
  14. Parando executa o giro de troco estendendo as pernas nas laterais, em seguida soco frontal (contagem de vinte).
  15. ..começa o soco cruzado; ( contagem de vinte).
  16. Idem soco gancho; (20x)
  17. 3 movimentos, soco direto, cruzado e cotovelo subindo

“queixo”;

  1. 3 movimentos, soco direto, gancho e cotovelo circular;
  2. Executa 3 socos, gira do lado e 2 joelhada, (20x)
  3. Começa correr, acelera até o limite, vai parando devagar;

 

 

“Cuidado há três coisas que jamais voltam: a flecha lançada, a palavra dita e a oportunidade perdida.”

 

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

11-  2ª Ginástica Aero Pólic (som Aero-pólic 2) 6ª Ginástica Pólic:

 

  1. Correr elevando o braço, idem abrindo;
  2. Saltitando lateral aumentando a distância;
  3. Relaxar a perna a frente;
  4. Chute frontal, guarda fechada e direita e esquerda (20x);
  5. Chute lateral, mão acompanha o chute;
  6. Chute frontal e lateral sem colocar o pé no chão;
  7. Chute frontal, lateral e giro, sem colocar o pé no chão, executando 3 saltos antes de mudar o lado;

 

“Ao dizer alguma coisa, cuide-se para que suas palavras não sejam piores que seu silencio”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

12- Vocabulário de palavras que podem serem usadas para facilitar o treino;

Japonês                                       Português

Dojo                                           Academia

Tatami-                                     colchão de palha

Budo                                         Artes Marciais

Kobu-do                                   luta de armas antigas

Sai                                            punhal

Tonfa                                       paus com cabo

Bô                                            bastão

Nunchaku                               dois cacetetes ligados por uma corda

Kama                                       foice

Makiwara                                paus de calejamento

Samurai                                   militar

Sensei                                      professor

Seito                                        aluno

Seiza                                       posição de joelhos

Zazen                                     concentração

Yobi-taisso                             aquecimento

Yoi                                         preparar

Yame                                     término

Maware                                 virar

Rei                                        cumprimento

Shomen                                 centro

Yoko                                     lateral

Jyodam                                 região superior

Thudan                                 região média

Guedan                                 região inferior

Hikui                                    baixo

Te-waza                               técnica de mão Nague-waza                         técnica de queda ne-waza                                técnica de luta no chão ashi-waza                             técnica de pé ne-waza                                técnica de luta no chão kumite                                   luta

yakusoku-kumite                  luta combinada sanbon yakussoku-kumite    luta combinada com três golpes

jiyu-kumite                            luta livre    shinken-shobu                    luta real sem regras (pela vida ou morte)

Tsuki                                   soco

Keri                                     chute

Kata                                     forma

Ryu                                      estilo

Kamissama                          Deus

Shihan                                  professor titular

Kohai                                   novato

Kio-tsuke                             sentido

Kime                                    força máxima

Yukuri                                  lento

Seibi-taisso                          relaxamento

Hajimi                                  começar

Kamaete                               preparar

Nadre                                   retorna

Mae                                      frente

Otogai-ni-rei                        cumprimento mútuo

Ushiro                                 atrás Takai                                   alto naname                                diagonal hajimi                                  iniciar yame                                   parar jyogai                                  fora do ringue tsuzukete –hajimi               reiniciar ichi                                     um ni                                       dois san                                     três

shi                                     quatro go                                      cinco roko                                  seis shichi                                sete hachi                                 oito kyu                                   nove     ju                                      dez   keri                                   chute mawashi                            chute virado empi                                  cotovelo ushiro gueri                       chute atrás uchi-uke                             kem por fora soto-uke                             kem por dentro chudan-uke                        defesa média jyidan-uke                          defesa alta kem                                    mão fechada shuto                                 mão aberta empi                                  cotovelo gueri                                   chute

 

“Quando um homem descobre que seu pai tinha razão, geralmente já tem um filho que o acha um errado”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

  • Normas de arbitragem e desenvolvimento dos torneios e campeonatos:

De início todos atletas entrarão em forma, será apresentado

todas as academias e autoridades presentes para dar inicio ao hino nacional brasileiro;

       13.1. Koto deve haver na linha 1, 4×4 m de medida por 5

cm de largura da linha;

13.2. O aluno só entrará no koto com autorização do árbitro

responsável pelo combate, kata ou apresentação;

       13.3. A linha 3 de marcação deverá conter 50 cm de

comprimento por 5 cm de largura, mesma mediada  da linha numero 2;

Figura           do           local           de           disputa           (koto)

Linha 1

Linha 3

60 ctm

Linha 2

30 ctm

Julio Mesquita     fev de 2008          

Figura 11. Medidas oficiais

13.4. Na linha 3 conterá um lenço da cor vermelha e outro da cor amarela onde será preso na linha da cintura lado direito do atleta participante;         13.5. Todo atleta deverá estar de kimono, com o brasão Pólic Kombat, protetor bucal e luvas; (não sendo permitido nenhuma outra proteção, salvo em contatos plenos).

13.6. O professor dita as regras e convida para entrar com

fala e gesto (direcionando as mãos para ambos atletas e voltando-as para o centro do koto), os alunos cumprimenta o aárbitro e entra permanecendo na posição de espera;

13.7. Começar, shobu-hagimi são palavras usadas para

começar a luta e tsukete-hagimi recomeçar, toda ordem devem ser seguida de gestos padronizados;

13.8. Quatro mesas compostas por árbitros estarão

marcando as pontuações e penalidades durante a luta, sempre com fichas especificas e marcação padrão (ex. 0= meio ponto, X = um ponto, -0= meio ponto negativo, -X= um ponto negativo podendo ser 0 ou X cortado ao meio, D= desclassificado, 1= vitória, 2= segundo lugar, 3=terceiro lugar;

13.8.1. Se o atleta utilizar ou simplesmente

demonstrar intenção de aplicar golpes mortais (ex. soco ou chute no pescoço, torção de pescoço ou cabeça ou algo similar) será imediatamente desclassificado (D).

13.8.2. Se atleta utilizar golpes na intenção de

lesionar gravemente seu adversário (ex. chute na rotula do joelho, chute giratório sem olhar, golpes com cotovelo ou joelhos que não seja para finalizar ou demonstrar, perderá um ponto(-X);

13.8.3. Atletas que pararem de lutar, chamarem

a atenção de algum árbitro mesmo que com olhares, perderão um ponto (-X) ou poderão até ser desclassificados (D) conforme a gravidade da infração;

13.8.4. Pisar fora do koto, perderá meio ponto (-0);

            13.8.5. Lutar de forma a desmoralizar ou

humilhar o adversário, acarretará na perda de um ponto (-X);

            13.8.6. Não acatar a ordem de parada do

árbitro ou regulamento implantados no torneio ou do Pólic Kombat, perda de meio ponto (-0) podendo ser até desclassificado (D) conforme a gravidade;

            13.8.7.     Deixar     de     prestar     algum     dos

cumprimentos (reverencias) perda de meio ponto (-0);

13.8.8. Interferir em lutas da equipe com

intenção de incentivar brigas ou desordem, acarretará na perda de um ponto (-

  1. X) do atleta e da equipe;

13.8.9. Soco perfeito com propósito e encaixe (direcionado), chute meia altura com encaixa e propósito, chute alto, sem contato, porem perfeito, ushiro com perfeição e consciência, adversário ao solo (queda) com finalização: (5 segundos: contam um ponto (X);

                           13.8.10. Socos e chutes diversos quedas sem

finalizações: contam meio ponto (0);

                            13.8.11. Das lutas de contato e solo: no solo

para-se socos e chutes a começa a imobilizações, tendo 2 a 3 minutos no solo ou conforme determinação do organizador do evento, sendo permitido pontos sensíveis e articulações, tomando cuidados com golpes mortais (garganta, dedo no olho etc.), o árbitro deve estar atento e parar quando observar que o atleta bate na lona, pede para parar ou entra no processo de desmaio; o atleta que bater na lona perde um ponto, na segunda derrota no solo perderá a luta (melhor de três);

                      13.8.12. Quando na luta de solo sair do

tatame, intencional volta e quem saiu perde meio ponto, se a saída não for intencional, é parada a luta e continua no centro na posição que parou;

13.9.  No final é realizado a soma da pontuação dos atletas

na presença de todos árbitros e organizador e os atletas são chamados por ordem a entrega das medalhas ou troféus;

 

14Principais posições a serem usadas:

Joelhos no chão (seiza)                   em pé (espera)

 

Figura 12.Posição Seiza                           Figura 13.Posição de espera

 

 

peso a trás                     posição luta (pernas flexionadas)

 

Figura 14.Posição Bote                          Figura 15.Posição Combate

 

 

 

  1. Principais socos a serem usadas:

alto                                        meio (abdome)

Figura 16. Soco Alto                              Figura 17. Soco Meia Altura  

baixo (genital)                                cruzado                                  gancho

Figura 18. Soco baixo                      Figura 19. Soco cruzado                    Figura 20. Soco Gancho

 

  1. Principais chutes a serem usados:

Frontal                                lateral                                        circular

Figura 21. Chute Frontal              Figura 22. Chute lateral                      Figura 23. Chute circular           girando                                                  bote

 

Figura 24. Chute giratório                         Figura 25. Chute Bote

  1. Principais esquivas

Laterais         com giro           pendulo

  1. Principais defesas

Defesa alta                             baixo                               dentro                               fora

 

Figura 26. Defesa alta            Figura 27. Defesa baixa           Figura 28. Defesa p/ dentro     Figura 29. Defesa alta

 

“Ao encontrar obstáculos jamais se desespere mesmo em meio às mais sombrias aflições de sua vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM

CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

  1. APLICAÇÕES DE COMBATE:

1ª Aplicação de Combate;

-Executa três socos altos, chute no quadríceps, segura pescoço, bate joelho na face, derruba com o giro de braço, pisa no queixo e termina na chave de braço.

Idem vídeo.

(adversário bloqueia e tenta segurar na baiana)

 

 

2ª Aplicação de Combate;

-Executa três bloqueios de soco no 4º gira o braço por fora executando a chave de braço, passa o pé derrubando e gira a mão imobilizando com o joelho na costela.

(adversário executa 4 socos)

 

3ª Aplicação de Combate;

-Executa quatro bloqueios, sendo que o 4º é do chute circular, segura a perna do adversário e imobiliza a perna;

 

4ª Aplicação de Combate;

-Executa defesa para fora “d”(chute frontal), para dentro (lateral), avança (giro) segura o adversário derruba e imobiliza com a chave de perna.

5ª Aplicação de Combate;

-Executa três bloqueios, avança o joelho esquerdo contra o abdome puxando o pescoço, escorrega a mão e gira a cabeça do adversário até chegar ao solo e finaliza com soco.

6ª Aplicação de Combate;

-Executa três socos, em seguida chute frontal (meia altura),

segura o pescoço com braço direito, entrando do lado contrário, puxa o adversário pelo pescoço, “este executa o rolamento” em seguida torção de pescoço..

 

-Toda Aplicação deve ser passada por parte, respeitando os processos                             .                                           pedagógicos, nível de graduação e golpes perigosos.

“A humildade é tudo, quem a si próprio elogia, não merece crédito”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

  1. Armas branca;

 

  • 1ª Sequência de aplicação de tonfa;

Executa os três ataques (cima, giro para dentro, giro para fora, o

adversário ataca, executa a esquiva, puxa o pescoço do adversário com o cabo, joelho contra o abdome, volta a empunhadura normal e cotovelada com o cabo da tonfa;

 

  • 2º sequência de aplicação de tonfa;

O adversário segura, executa a imobilização em seguida executa a técnica de condução ao solo.

 

20.3- 3º seguência de aplicação de tonfa;

Executa-se os três ataques, ataque por baixo o adversário pula,

entra socando, esquiva e entra com o cotovelo (f), em seguida puxa a perna direita derrubando o adversário e finaliza batendo frontal.

 

      21.-  KATA (KOBU-DO)

 

21.1-1. KATA- TONFA IT.

  1. Executa-se o cumprimento;
  2. Avança perna (d) defesa alta (d), dentro (e), fora (d), gira e defesa dupla;
  3. Idem atrás;
  4. Idem lado (e)
  5. Idem atrás;
  6. Gira e volta a posição inicial;

 

21.2- 2. KATA-TONFA NI.

  1. Executa-se o cumprimento;
  2. Avança estocando (d);
  3. Ataca por cima (d.e);
  4. Para dentro (d.e);
  5. Para fora duplo;
  6. Gira três vezes pulso e uma casta da mão (duplo);
  7. Segura o cabo (principal) gira (d) puxa e estocada;
  8. Reinicia realizando no lado oposto;
  9. Finaliza, idem (f), gira três vezes pulso e uma casta da mão (duplo);

 

 

21.3- 3. KATA- TONFA SAN

  1. Executa-se o cumprimento;
  2. Defesa para fora lado (e);
  3. Dois golpes por cima seguido;
  4. Gira defesa para fora lado (d);
  5. Salta e posição combat postura baixa estocada dupla com cabo principal;
  6. Na diagonal (e) defesa alta (e) gira (d) e bate com a cabeça do martelo;
  7. Na diagonal (d) defesa alta (d) gira (e) e bate com a cabeça do martelo;
  8. Gira idem atrás começando a defesa com o lado direito, depois esquerdo;
  9. Posição de combate estocada baixa com o cabo principal;
  10. Defesa dupla (d) baixa e (e) alta gira idem outor lado e volta para posição inicial;

21.4- 1. KATA – BASTÃO IT.

  1. Executa-se o cumprimento com o bastão na horizontal;
  2. Defesa alta, para dentro, para fora, chute giratório e ataque por cima;
  3. Gira para traz defendendo em cima, idem o movimento anterior;
  4. Gira por baixo com o bastão passando por baixo e ataque e volta a posição inicial.

 

21.5- 2. KATA- BASTÃO NI.

  1. Executa-se o cumprimento com o Bastão na horizontal;
  2. Frente ataca em cima (d), mudando o passo;
  3. Lateral (e) lateral (d) gira e estocada por traz, ja fica de frente para fazer outro lado;
  4. Idem a traz;

volta a posição inicial.

 

21.6- 3. KATA- BASTÃO SAN.

  1. Executa-se o cumprimento com o bastão na horizontal;
  2. Defesa alta na frente;
  3. Gira o bastão 10 vezes na lateral, bate frontal em seguida lado (e) e lado (d);
  4. Gira o bastão nas costas das mãos três vezes para o lado (d) e gira executando defesa alta;
  5. Gira o bastão 10 vezes na lateral, bate frontal em seguida lado (e) e lado (d);
  6. Gira o bastão por cima da cabeça três vezes gira e volta a posição inicial.

 

 

 

 

21.7- 1. KATA- NUNCHAKO IT.

Com um nunchaco.

  1. Segura-se o nunchaco gira na lateral (e);
  2. Cada contagem executa-se três vezes o movimento de giro para dentro;
  3. Após segura-o executando a defesa a frente;
  4. Giro de chave de braço e estocada com o cabo (d);
  5. Gira traz, executando defesa alta para fora (e);
  6. Executa defesa alta para dentro (d);
  7. Segura-se o nunchaco gira na lateral (e);
  8. Cada contagem executa-se o movimento de giro dentro;
  9. Após segura-o executando a defesa a frente;
  10. Giro de chave de braço e estocada com o cabo (d);
  11. Gira traz, executando defesa alta para fora (e);
  12. Executa defesa alta para dentro (d);

 

 

21.8- 2. KATA- NUNCHACO NI.

Com dois nunchaco.

  1. Executa-se o cumprimento;
  2. Gira ambos nunchaco na lateral;
  3. Cada contagem executa-se o movimento para dentro por tres vezes;
  4. Trava o nunchaco em baixo do braço, após gira ambos a frente batendo duplo e travando na perna (e) agachado, retorna batendo duplo;
  5. Gira-se para traz ja executando o movimento de giro e inicia-se a seqüência novamente;
  6. Trava o nunchaco em baixo do braço, após gira ambos a frente batendo duplo e travando na perna (e) agachado, retorna batendo duplo;
  7. Gira , continua o giro apenas lateral até a vóz de comando e volta na posição inicial.

 

21.9- 3.KATA NUNCHACO SAN.

Com dois nunchaco.

  1. Executa-se o cumprimento;
  2. Segurando o nunchaco faz-se defesa alta (e) e bate (d) idem outro lado;
  3. Defesa dupla gira e defesa dupla;
  4. Executa –se o mesmo movimento;
  5. Cruza-se o braço, solta pt do nunchaco e gira cruzado atacando, na 2 vez gira sobre a mão lateral, puchando sobre a mão para cima executa um giro e para embaixo do braço para finalizar.

 

 

Será executado manuseio com o nunchaco e bastão, devendo o professor atentar para acidentes e os processos pedagógicos corretos.

  1. Defesa contra arma branca;Contra bastão;

1=frete, avança defesa alta e torção de braço;

 

2= circular, avança acompanha o mov. gira o braço e imobiliza no ombro

 

  1. Contra faca;

1= ataque alto imobilização de braço;

2=estocada esquiva e torção de punho;

3 = lateral, avança segura o braço, gira por baixo e desarma;

  1. Contra arma de fogo; (VIDE CURSO DEFESA URBANA)

 

Curso DEFESA URBANA, experiência e peso curricular
.

TÉCNICAS CONTRA AÇÕES DE MARGINAIS (2007)

“A gente todos os dias alimenta o corpo: por que não a alma louvando a DEUS”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

  1. Treino de Contato:

Os treinos deverão ser realizados de acordo com as realidades das ruas e campeonatos de lutas em pé e solo.

Os treinos deverão ser direcionados para as lutas sequenciais (kata) para facilitar os exames de graduação;

Deverá ser relatada importância do soco e chute (simples)

Aplicação de golpes parado, em deslocamento e saltitando (alvo móvel);

Aplicação de golpes usados em Defesa Urbana e Contenção Hospitalar, adaptando nos combates (lutas);

Aplicação de calejamento de braço, pernas e abdome, obs.: com cuidado para não provocar lesões;

Deverá terminar a aula com um relaxamento ou dinâmica;

 

 

  1. Das lutas;

Deverá o instrutor relatar as exigências antecipadamente;

Inicio= hajimi, termino= yame; (palavras para facilitar o treino)

 

Deverá atentar para o grau de aprendizado do aluno e estipular a luta para que esteja habilitado=  sombra (sem contato),

 

contato parcial (meia altura),

 

contato parcial e queda;

 

contato parcial e solo; continua até imobilizar, 1 minuto ou tempo

estipulado pelo professor;

 

solo, a luta já inicia-se no chão;

 

contato pleno (sem soco no rosto ou regra estipulada pelo professor),

 

contato pleno e queda;

 

contato pleno e solo;

 

contato pleno com dois adversário (em pé ou três segundos para

imobilização ou finalização),

 

contato pleno com três adversários ou mais (atentando para as

capacidades dos atletas),

 

 

contato pleno com dois adversários  e solo,

 

contato pleno com solo três ou mais adversário e solo.

Obs: o professor deverá usar o bom senso e durante as lutas e não causar nos alunos a sensação de inferioridade ou que cause desestimulo para a continuidade da arte.

(atentar para o preenchimento do termo de responsabilidade e sigilo)

 

“Aquele que pergunta, pode ser um tolo por cinco minutos. Aquele que deixa de perguntar, será um tolo para o resto da vida”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

  1. HISTÓRIA

27.1. A origem de Artes Marciais

Do atrito de paus e pedras, nascera o fogo. Do atrito entre os homens, nasceu a luta. Os sábios transformaram em esporte o que era apenas guerra e violência. As lutas clássicas estão nos jogos olímpicos desde a Grécia antiga. Mas o homem também desenvolve técnicas de luta com os punhos e com as espadas e faz do pugilismo e da esgrima esportes que atravessam os séculos (Garcia, R., 2007).

No oriente, onde o homem inventara a pólvora, criaram-se também formas de luta que são disputadas como esporte e reverenciadas como arte. Os Orientais apresentam ao Ocidente o Judô, o karatê, o Taekwondo: técnicas de defesa que podem ser usadas no ataque. Mais energia para a chama do esporte, menos fogo pra violência. Cada luta por esporte alimenta apenas o ideal olímpico de paz (GARCIA, R., 2007).

Mestre Roberto Garcia, (2007), graduado em Taekwondo, relata em seu livro, que como não existe uma única nomenclatura que possa abranger todas variantes do termo Artes Marciais, na maioria das vezes, sua obra não faz distinção de tal linguagem e apresenta um pequeno glossário das possíveis variações que esta locução assume no texto;

  • Artes Marciais de Toumai: representa o hominídeo mais antigo descoberto pela ciência.
  • Artes Marciais Romana: refere-se ao surgimento de Roma e seus gladiadores.
  • Artes Marciais Tribal: representa diversas lutas de combate atreves de tribos, nações e reinos.
  • Artes Marciais Contemporânea: inclui-se nas atuais, competitiva ou não.
  • Artes Marciais Militar: é aquela que foi ou ainda é destinada a um regimento militar.
  • Arte Marcial Desportiva: com finalidades competitivas.
  • Arte Marcial Verdadeira: pode ser considerada coma Arte Universal, em que se tem principio de integridade física, moral, mental e espiritual.

Milhões de anos foram necessários para que um corpo e um cérebro se desenvolvessem ate formar o homem atual.

Há 40.000 mil anos surgia uma nova era. Homens que se defendiam e atacavam com lanças feitas de pontas de chifre e arco e flecha rudimentar. Mais tarde, 20.000 mil anos depois, as flechas de determinados arqueiros eram disparadas com o corpo deitado ao chão e o arco preso nos pés, pronto para ser lançado contra uma nova presa.

Tudo começou há mais de um milhão de anos na África Oriental com um grupo de Australophitecos na defesa do seu território e de seus alimentos. Suas armas eram os ossos, galhos e pedras rudemente quebradas. Os Australophitecos obedeciam a uma hierarquia, o líder era sempre o primeiro a comer e só deixava a liderança em uma disputa corpo a corpo contra um jovem guerreiro pela conquista de um determinado alimento. Aprenderam a gritar para impor sua força uns contra os outros; com isso, afastavam os abutres de carniças, que também lhe serviam para consumo, e disputavam o território com os babuínos. Existiam também os tigres dentes-de-sabre, que por serem carnívoros muito rápidos,  predavam os Australophitecos.

No mesmo período em que vivia os Australopitecus existia também um grupo similar chamado Paranthropus. O primeiro era um tipo esguio de um metro e vinte de altura com aproximadamente cinqüenta quilos, o segundo era robusto, pesava cerca de setenta quilos e tinha um metro e meio de altura.

Ambos viviam em grupos distintos e sem muitos conflitos, mas dados científicos relatam que os Paranthropus foram extintos por dificuldade de mobilidade, períodos de escassez de alimentos, e pela disputa com os Australopitecus. Quando estes em algum momento reforçaram sua alimentação vegetariana com carne de animas abatida, tornaram-se mais agressivos com os Paranthropus e os demais seres com que conviviam. Os Australopitecus também competiam com as hienas e os chacais pela obtenção de carniças. As caçadas despertavam ainda mais o instinto agressivo e a sagacidade. Este foi na realidade o primeiro encontro “marcial” entre seres do mesmo gênero, de um lado, um grupo menos treinado a caça, com pouca agilidade segurando pedras toscas para lançamento ou para pedaços de paus encontrados no momento da batalha, e do outro lado, seres mais astutos acostumados com o combate, mais inteligentes e portadores de armas, como galhos secos, ossos de ponta fina e pedras afiadas.

Posteriormente, seus sucessores Neandertais apareceram e deram uma grande contribuição na fabricação de armas, como lanças feitas de galhos com extremidades queimadas e raspadas para melhorar o fio, alem dos machados confeccionados a mão.

A nossa espécie, o Homo sapiens, apareceu há cento e cinqüenta mil anos e, até a presente data uma evolução é dividida nas seguintes etapas:

150.000 a.C. Surge a espécie de homo sapiens na África.

50.000 a.C. O Homo sapiens chega ao Oriente Médio.

40.000 a.C. O Homo sapiens atinge a Europa e fica conhecido como Cromagnon.

35.000 a.C. O Homo sapiens entra em conflito com o homem de Neandertal.

27.000 a.C. Os Nendertais são extintos, possivelmente pelos Homo sapiens.

15.000 a.C. O Homo sapiens chega à América do Norte e contribui para o

processo de extinção de novas espécies.

13.000 a.C. O Homo sapiens chega à América do Sul e foi o maior

contribuinte no processo de extinção do tigre dente-de-sabre, mamute, mastodonte, etc. No Oriente Médio descobriram a produção agrícola e posteriormente deram início a novas gerações, tribos, cidades e impérios. Deu-se um “bum” no desenvolvimento ate chegar a nossa era.

 

A essência da origem da “Arte Marcial” nasce quando o homem descobre a necessidade da caça, seguida pela conquista do território, fim de estabilizar-se em proximidades de rios e abrigos que ofereciam melhores condições de via. Assim surgia o começo das lutas entre grupos que se inclinavam nos mesmos ideais. Com certeza, as armas contribuíram para outras conquistas e estimulavam o desenvolvimento de uma nova modalidade de luta corpo-a-corpo. A descoberta do fogo também representou um passo muito importante para a metalurgia, dando origem aos punhais, facas e espadas.

Conhecendo melhor as nossas origens ate o surgimento da raça humana, qualquer um pode perceber o avanço da humanidade através dos instintos selvagens de sobrevivência, grupos tribais e guerras, ate chegar à formação da Arte Marcial e dos sistemas marciais modernos.

É considerado, pela maioria dos pesquisadores, que as técnicas especificamente asiáticas chegaram à China através da Índia e do Tibet, sendo que, neste último, eram utilizados pelos monges enclausurados em grandes mosteiros.

Na China, foram os monges que aprenderam essas técnicas de luta para se protegerem de bandidos, bem como para exercitarem o corpo. Não se tem conhecimento de quais as primeiras técnicas que foram aprendidas e desenvolvidas neste país, por serem ensinamentos só ministrados pelos monges à seus discípulos, sendo proibido o ensinamento da arte a pessoas comuns do povo. Era também proibida a referência, escrita ou falada, dessa forma de se defender, para evitar que a mesma caísse em mãos inimigas.

Da China, o conhecimento de algumas formas de combate sem armas estendeuse a outras regiões asiáticas. Certos historiadores afirmam que foi Chim Gempim, um monge Chinês que migro para o Japão, quem lá ensinou alguns golpes da luta chinesa no arquipélago, dando início, assim, às artes marciais naquele país.

Embora o Japão possa ter sido o último país asiático a adquirir o conhecimento desta forma de defesa sem armas, lá é que as artes marciais se desenvolveram e se popularizaram de uma maneira incrível.

No Japão que se tem os mais antigos registros do início das artes marciais. A referência mais longínqua encontrada na história remonta a aproximadamente 2.000 anos atrás, no ano 24 A.C, e está registrada no livro Kojiki, que é a crônica e mitologia japonesa mais antiga, documentária relatos sobre a história original deste país (Garcia, R., 2007).

Relata João Zaqui (1986), que Artes Marciais são muito diferentes das Técnicas de Luta. Tradicionalmente, entende-se que o termo Marcial é relativo a Marte, Deus da Guerra, e portanto as artes marciais são artes de guerra. Nesse sentido, poderiam assemelhar-se às simples técnicas de combate. Existe porém uma interpretação diferenciada: a de que se trata de uma guerra individual, contra suas próprias barreiras e limitações. Esta interpretação é adotada por muitos praticantes, pois a maior parte deles não faz seu treinamento visando atitudes bélicas, mas sim o desenvolvimento pessoal.

Alguns estudos indicam que as primeiras utilizações da expressão “arte marcial” se deram no oriente, provavelmente na China. Tradicionalmente, o termo “guerra” no oriente representa tanto os conflitos bélicos quanto as  batalhas pessoais dos indivíduos. Neste sentido, arte marcial

Figura 31: Posições de pode significar tanto a arte de guerrear quanto a arte de se

ataque desenvolver enfrentando seus desafios, medos e limites

pessoais.

Em chinês a expressão “arte marcial” é geralmente traduzida como “wu shu”. O ideograma que forma “wu” (guerra, marcial, etc) é formado por outros dois símbolos que individualmente significam “evitar” e “conflito”. Assim, uma análise etimológica do termo “arte marcial” em chinês nos levaria ao sentido de “arte de evitar conflito”. Novamente, os conflitos podem ser tanto individuais como coletivos. Em uma análise primária, seria a arte de evitar conflitos com outras pessoas. Numa análise mais profunda, seria a arte de evitar conflitos internos. A arte de evoluir e se desenvolver.

Utilizando-se esta definição de “arte marcial”, é possível diferenciá-la das técnicas de luta verificando se existe uma preocupação em desenvolver e auxiliar na formação do indivíduo além de simplesmente ensiná-lo a lutar. Neste sentido, as artes marciais que se enquadram nesta concepção certamente buscam desenvolver no

praticante o equilíbrio entre mente e corpo.

João Zaqui (1986) relata em seu manual princípios pedagógicos e filosóficos indispensáveis a perfeita aprendizagem do Jiu-Jitsu, que vem sendo praticado entre nós a vários anos, e que hoje figura nós a vários anos, e que hoje figura nos programas do ensino da maioria das nossas escolas de Educação Física.

A juventude muito se interessa por ele, tal é seu valor como desporte, a par de sua fácil aprendizagem. Demais, sua pratica estimula nossa coragem, desperta confiança em nossas próprias forças, da nos agilidades, resistência e força combativa, concorrendo assim com nosso bem-estar físico e moral. (João Zaqui, 1986)

 

 

Figura 32: Monges Chineses

Fonte: www.corpo.mente

 

27.2. No Brasil

 

Nunca se ouviu falar em uma “Arte Marcial” desenvolvida no Brasil a partir de seus povos primitivos, talvez por motivos de pouca informação e esclarecimentos necessários sobre estudos arqueológicos e das historias de guerras tribais em nossa terra, alem da ignorância da origem e do surgimento da Arte Marcial. (João Zaqui, 1986)

Dados cientificamente comprovados sobre a história dos primeiros habitantes brasileiros alcançam a data de onze mil anos. Tal hipótese se confirma quando a equipe arqueológica de Annette Laming Emperaire descobriu um crânio humano no ano de

1974 em Minas Gerais, mais exatamente no Sito da Lapa Vermelha (município de Pedro Leopoldo).

São muitas as tribos guerreiras a serem descritas e inúmeras as historias de guerra que aconteceram em solo. O importante é saber que o Brasil nada fica a desejar no tocante a suas raízes culturais marciais, mas infelizmente poucas foram citadas e aprimoradas através dos tempos. (ROBERTO GARCIA, 2007)

 

27.3. Coliseu

 

O Coliseu era o maior divertimento da época: milhares de pessoas morreram diante de uma platéia, para exaltar um evento que chamavam de espetáculo.

O Coliseu foi o primeiro anfiteatro romano, os jogos eram realizados em circos, em uma forma oval, media setenta e sete metros de comprimento por quarenta e sete de largura, com galerias de quarenta metros de altura para receber cinqüenta mil pessoas. Toda essa edificação servia para ver um gladiador vencer, morrer ou suplicar pela vida, pedindo misericórdia aos espectadores.

Os gladiadores eram na maioria prisioneiros de guerra, escravos, ladrões, cristãos e todos aqueles que opunham às leis do império. Havia escolas especiais para o seu treinamento, onde eram constantemente vigiados e exercitados na arte de matar.

Se formos apreciar a Arte Marciais espelhada nos guerreiros de uma nação, teremos então o soldado romano, o qual tinha treinamento tático e militar para defender o império.

Sendo assim, uma vez que o termo “marcial” é de origem romana, poderíamos finalizar nossa busca da origem da Arte Marcial, talvez, nos soldados romanos, sendo os primeiros guerreiros marciais “lapidados” ou mais famosos desde o surgimento de Roma.

Assim, as “Artes Marciais” anteriores ao período de Roma nunca poderão ser realmente chamadas de Artes Marciais, sem esquecer também que as “Artes Marciais” praticadas por nós só podem receber o nome de marcial se estiverem sedimentadas com a mesma regra e filosofia dos jogos romanos e da arte de Marte, a Arte Marcial.

(GARCIA. R, 2007)

 

27.4 Decoração Tradicional

 

Dragões, tigre, fênix, rosa de sharon, tartaruga, pinheiro, ying yang, cinco elementos (cinco movimentos) e outros mais, compõem s decoração tradicional coreana. O baguá, por exemplo, também é um dos muitos utilizados, conquistando o nosso mundo ocidental, como os menciona dos anteriormente.

Sua cultura contém símbolos de longevidade, tais como: água, arvore de pinho, grou, cervo, nuvem, tartaruga, cogumelos da imortalidade, bambu, pedra e o sol.

O dragão é um animal alado e imaginário na cultura oriental há cinco mil anos.

O tigre é um animal tradicional da Coréia desde os tempos primitivos, representa a libertação e a esperança de um povo.

Segundo a mitologia, a ave fênix vive mais de quinhentos anos. Sua morte é um inicio de uma nova vida, ela confecciona um ninho em uma arvore de carvalho ou em uma palmeira toda elaborada com mirra, nardo e cinamomo, por fim, incendeia-se batendo incessantemente as suas asas.

A rosa de sharon (Hibiscus Syriacus), conhecida como “a rosa que floresce para sempre e nunca morre” ou “Flor da Eternidade”, ou apenas mugunghwa para os coreanos se fecha com o sol e se fecha ao entardecer do dia, durante o inicio domes de julho até o final de outubro a tartaruga é conhecida como a mensageira do espírito aquático.

O pinheiro é uma arvore da tradição cultural coreana, sua madeira é muito utilizada na confecção de caixões funerários e é costume enterrar o morto muito próximo a morro com pinheiros. (GARCIA. R, 2007)

 

 

27.5.  Significado, Crenças e Religiões.

 

Como marte, deus protetor do gado, da fertilidade da vegetação, poderia mais tarde tornar-se um deus guerreiro e temido por todos.

Como se sabe, toda arte “Arte Marcial” provem das guerras, no intuito de defesa ou conquista de um território ou uma nação. É claro que as ramificações são um suposto

“aprimoramento” destas primeiras, e as técnicas desenvolvidas em qualquer uma delas são fatores que caracterizam a arte guerreira (combatente militar…) ou Arte Marcial.

Pela cor vermelho sangue, o planeta Marte, visível a olho nu, foi associado às forças destrutivas do homem da natureza, daí seu nome ter sido dado ao deus romano da guerra.

Batizado com o nome de Marte, este deus romano também teve semelhança com Nergal, o segundo rei de Roma no período de 715 a 672 a.C. Os sálios eram incumbidos de guardar e conservar os escudos sagrados no templo de Marte e de dançar no grande festival de março, mês derivado do nome desse deus.

Além da violência, da bravura cega e temerária, Marte tinha como símbolos a lança e a espada, depois o archote, o cão e o abutre.

Marte teve estreita ligação com a vida, pois era um dus que protegia a fertilidade e a vegetação, por esse motivo a Arte Marcial pode ser relacionada com o caminho para o equilíbrio interior.

A Arte Marcial é o caminho onde o seguidor poderá expandir esta consciência, seja com pensamentos enfocados pela humildade e justiça, seja buscando a anulação e a compreensão das forças que promovem o desequilíbrio interior. Acredita-se também que a Arte Marcial é um veiculo para se alcançar à elevação espiritual. (GARCIA. R, 2007)

 

Budismo

O budismo surgiu na Índia no século VI a.C. por derivação do bramanismo, atingiu a Coréia e tornou-se a religião mais importante.

A escritura sagrada mais importante é a Tripitaka, conhecida como “As Três Cestas da Lei”, que é dividida em três textos contidos com regras monásticas,

orientação religiosa e conceitos filosóficos.

As religiões mais cultuadas são: o budismo, o protestantismo, o cristianismo e o confucionismo.

No ano de 372 d.C. o budismo penetrou na Coréia via Koguryo através de monges chineses e indianos. Mais tarde partiu da península coreana para penetrar no

Japão chocando-se com o xintoísmo.

Em Paekche o budismo foi adotado em 384 d.C.

Popung Wang (514 d.C. até 540 d.C.) foi  o primeiro monarca a aceitar a sua prática em 527 d.C. no reino de Silla. Outras fontes apontam 535 d.C.

Atualmente mais de sete mil e quinhentos templos budistas foram construídos na Coréia até a atualidade. O começo da construção de templos pela Coréia deu-se pela influência cultural chinesa.

O maior Buda do país está no mais antigo pagode da Coréia, localizado no

Parque da Coréia, localizado no Parque Nacional do Monte Songnisan, dentro do

Templo Popchusa. (Roberto Garcia, 2007)

 

 

Xamanismo

O Xamanismo compreende a crença que os humanos tinham uma alma imortal e que todos os elementos naturais também a possuem, assim como as pedras, as árvores, o vento e a água. Consiste na adoração de mais de mil espíritos do bem e do mal, os quais podem influenciar na vida diária das pessoas. Esta crença também possui um líder espiritual, o xamã (homem santificado), detentor do poder intermediário das forças do céu e da terra, do dom de curar as enfermidades e desviar as desgraças que a tribo poderia vir a sofrer. (Roberto Garcia, 2007)

Animismo

O animismo e na verdade um Xamanismo, onde um sacerdote tribal detém os poderosos de curar as moléstias da tribo, acabar com o mau agouro, assegurando a boa sorte e prevendo o futuro para evitar calami°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°dades. (Roberto Garcia, 2007)

Confucionismo

É um sistema ético e moralista criado por sábios chineses, discípulos de

Confúcio, os quais faziam parte de reuniões e discussões sobre os pensamentos de Confúcio com o intuito de criar o caminho que julgava certo. Seus seguidores englobaram toda a filosofia do seu mestre dentro de um conjunto de regras estritamente determinadas.

Confúcio (551-479 a.C.) teve berço aristocrata e iniciou sua vida publica como funcionário fiscal de mercado. (Roberto Garcia, 2007)

Taoísmo

Trata-se tanto de uma filosofia quanto de uma religião, ela consiste na simplicidade, não ambição, paciência e harmonia. Sua criação não tem data certa, mas dados históricos relatam influências Taoístas representadas nas pinturas dos túmulos de

Koguryo e na província de Pyongan.

 

 

Islamismo

O Islamismo chegou na Coréia entre os anos de 1950 d.C. e 1953 d.C. (guerra das Coréias) através dos soldados turcos.

Em 1955 d.C., um ‘imã’ (chefe missionário do islamismo) chegou na península e, em 1960 d.C. construiu a primeira mesquita e um centro islâmico. (Roberto Garcia, 2007)

Cristianismo

Foi introduzido na Coréia nos fins do século XIX. A sua chegada foi bem apreciada pelos Coreanos. (Roberto Garcia, 2007)

Chondo Gyo

Crença sincretista baseada em elementos religiosos ocidentais e orientais. Surgiu no século XIX fundado por Choe Che Um. (Roberto Garcia, 2007)

Taejong Gyo

Culto aos três deuses: Hanunim, o criador do Universo; Hwan Ung, o governador celestial e Tangun, o fundador da nação coreana. (Roberto Garcia, 2007)

Os espíritos 

A crença popular nos espíritos é muito comum, existem vários tipos e categorias para diferenciá-las como, por exemplo, os espíritos humanos. Os bons são aqueles que cumpriram com devoção a adoração aos seus ancestrais, os maus são os que negligenciaram seus ancestrais, cometeram suicídios ou homicídios. Espíritos da natureza: céu, terra, fogo, água, lua, estrelas, agricultura, montanhas, pedra e direção.

(GARCIA. R, 2007)

 

  1. Requisitos para graduação de Faixa Branca 2º

.                                         Grau (mínimo 2 meses de faixa branca)

a- (dizer “faixa branca 2º grau”)  b-Nesse exame o aluno deverá apresentar os 3 principais socos (alto,

médio e baixo); c- As 4 principais defesas (alto, para dentro, para fora e para baixo); d- Os 3 principais chutes (frontal, lateral e circular);

Obs. Toda aplicação com contagem até 5 em língua japonesa. d- Luta de contato parcial;  sempre realizando os cumprimentos devidos;                        -Será avaliados sequência, comportamento e perfeição.

O aluno deverá apresentar o comprovante bancário referente a taxa de

exame.  (20,00 sujeitos a alterações)

 

 

  1. Requisitos para graduação de Faixa Azul 1º

.                                           Grau: mínimo 3 meses de faixa branca 2º grau) a-  (dizer “faixa azul 2º grau”)

Cumprimenta, prepara posição de luta, sempre direita a frente; ataque 3

vezes com soco alto, meio, baixo e chute circular, para com o pé dir. a frente em posição de luta. Recua defesa alta, para dentro, baixo e bloqueia o chute circular, passa o pé esquerdo atrás do direito, gira com os joelhos dobrados volta a posição inicial e cumprimenta;

Dizer no mínimo 5 regulamentos, primeira seqüência de tonfa;

Luta de contato parcial;

-Serão avaliados seqüência, comportamento, perfeição nos golpes e

postura.

O aluno deverá apresentar o comprovante bancário referente a taxa de

exame. (40,00 +  faixa sujeito a alterações)

 

 

“Tamanho não é tudo, pois um pequeno vazamento eventualmente afunda um grande navio”

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

 

  1.               Requisitos para graduação de Faixa              

.          Azul 2º Grau:  mínimo 4 meses de faixa azul 1º grau.        a- idem com seqüência de faixa azul 1º grau, após com aplicação.

b- Dizer no mínimo 8 regulamentos e objetivo do Pólic; c- Luta de contato parcial e queda.

d- Serão avaliados sequência, comportamento, perfeição nos golpes, postura e alto controle.

O aluno deverá apresentar o comprovante bancário referente a taxa de exame. (50,00 +  faixa sujeito a alterações)

 

  1. Requisitos para graduação de Faixa .                

………………….Verde 1º grau; mínimo 5 meses de faixa azul 2 º grau.

Anunciar “faixa verde 1º grau”.

Inicia-se com a defesa lateral e soca alternado, idem o outro lado e executa o rolamento, e gira para o lado que iniciou braço esquerdo defesa para dentro gira socando e executa o rolamento voltando para o local inicial.

1ª Aplicação de combate, os professores elaborarão questões sobre o Pólic, dizer 10 regulamentos.

Luta de contato parcial e queda;

Serão avaliados sequência, comportamento, perfeição nos golpes,

postura, alto controle e conhecimentos do Pólic.

O aluno deverá apresentar o comprovante bancário referente a taxa de

exame. (70,00 +faixa sujeito a alterações)

 

 

  1. Requisitos para graduação de    .            

….....…..Faixa.Verde 2º grau; mínimo 6 meses de faixa verde 1º grau.

 

Idem a sequência do faixa verde 1º grau, após com aplicação;

1ª aplicação de combate, 2º aplicação de tonfa;

Os professore elaborara questões sobre o Pólic;

Serão avaliados sequência, comportamento, perfeição nos golpes, postura, alto controle, noção tempo espaço.

 

O aluno deverá apresentar o comprovante bancário referente a taxa de exame. (80,00 +  faixa sujeito a alterações)

 

 

 

  1.  Requisitos para graduação de Faixa        

…………………Roxa 1º grau: mínimo 7 meses de faixa verde 2º grau. O aluno deverá apresentar todas sequências de graduações anteriores, sequência “faixa roxa 1º grau”

-Defesa lateral e soca avançando gira o braço (imobilização 1) puxando

a perna ”d”,

Idem outro lado.

Prepara a posição de luta, chute frontal, lateral, circular, giro, circular

baixo, gira saltando, frontal “d” e inicia frontal (d), frontal (e), lateral, circular, giro, caindo para executar o bote, girando para posição inicial.

3ª aplicação de combate, 3ª aplicação de tonfa, apresentação de nunchaco; corrida de aquecimento, alongamento de solo, responder questões do Pólic.

Luta de contato pleno e solo; (atentar para devidas proteções.)

(100,00 +  faixa sujeito a alterações)

 

  1. Requisitos para graduação de Faixa Roxa

………..2º grau: mínimo 9 meses de faixa roxa 1º grau.

O aluno devera apresentar todas seqüências de graduações anteriores, sequência “faixa roxa 1º grau” com aplicação.

3ª aplicação de combate, 2ª Kata de tonfa,, 2 kata de nunchaco; corrida de aquecimento, alongamento de solo, responder questões do Pólic.

Luta de contato pleno e solo; (atentar para devidas proteções.)  Serão avaliados sequência, comportamento, perfeição nos golpes, postura, alto controle, noção tempo espaço e capacidades pedagógicas.

O aluno deverá apresentar o comprovante bancário referente a taxa de exame. (150,00 +  faixa sujeito a alterações)

 

  1.  Requisitos para graduação de Faixa

………………………marrom 1º Grau: mínimo 1 ano de faixa roxa 2º grau.

Avaliação teórica, envolvendo conteúdo da apostila; estar estagiando sob supervisão de professor responsável (Faixa Preta);

Apresentar todas sequência de graduações,

Sequência “faixa marrom 1º grau”;

Executa uma defesa e ataque conjunto, idem outro lado, executa outra defesa ataque na diagonal esquerda e diagonal direita defesa para dentro ”e” gira e cotovelo, chute frontal, lateral, cai atrás e executa o circular girando para o lado oposto, volta executando o mesmo movimento nas diagonais e defesa parta dentro, giro e cotovelo, chute frontal, lateral, cai a trás e executa o circular caindo na posição inicial.

Aplicações de combate 1,2 e 3, aplicações de tonfa, demonstração de

nunchaco, corrida de aquecimento, alongamento de solo, ginástica do Pólic,  b- Luta com contato pleno 3 ou mais adversário.

c- Serão avaliados sequência, comportamento, perfeição nos golpes, postura, alto controle, noção tempo espaço e capacidades pedagógicas, noção em primeiros socorros.

O aluno deverá apresentar o comprovante bancário referente a taxa de exame. (200,00 +  faixas sujeito a alterações)

 

  1. Requisitos para graduação de Faixa

…….marrom 2º Grau: mínimo 1 ano e 2 meses de faixa marrom 1 grau. Idem ao anterior com aplicação.

Avaliação teórica, envolvendo conteúdo da apostila; estar estagiando

sob supervisão de professor responsável (Faixa Preta);

 

Sequência de aero pólic, questões sobre o Pólic

Luta de contato pleno e solo

Serão avaliados sequência, comportamento, perfeição nos golpes,

postura, alto controle, noção tempo espaço, capacidades pedagógicas e noções em primeiro socorros;

O aluno deverá apresentar o comprovante bancário referente a taxa de exame. (250,00 +30,00 faixas sujeito a alterações)

 

  1.  Requisitos para graduação de Faixa

………….preta 1º Dan: mínimo 1 ano e 6 meses de faixa marrom 2º grau.  

 

Avaliação teórica, envolvendo todo conteúdo da apostila; estar estagiando sob supervisão de professor responsável (Faixa Preta);

Toda sequência de aula, todas aplicações de graduações, todas aplicações de combate, sequência de tonfa. Nunchaco, bastão, ser instrutor do curso DEFESA URBANA, estagiar no mínimo 6 meses na área do Pólic Kombat.  Luta (todos tipo de combate) inclusive arbitragem.

KATA= Defesa lateral e chute frontal, gira defesa lateral e chute circular, traz chute lateral e pula girando. Executa defesa alta contra faca, em seguida defesa baixa (e) e gira executando contragolpe, defesa baixa (e), defesa alta dupla e gira efetuando o contragolpe; chute lateral e giro no ar, mesma sequência para voltar.

(400,00 + , faixa sujeito a alterações)

 

 

 

  1. OBSERVAÇÕES GERAIS:
  • A partir da faixa azul 1º Grau que o atleta terá seu cadastro/ registro junto à organização após pagamento de 20% do valor;
  • Aluno faixa roxa e faixa marrom 1º e 2º Grau é considerado estagiário, podendo dar aulas com a supervisão de um professor faixa preta. A mensalidade será inteiramente do estagiário, porém o exame de graduação será do professor responsável ou banca examinadora;
  • O professor Faixa preta, com o alvará poderá ministrar aulas de PÓLIC KOMBAT, a mensalidade será inteiramente deste, o exame de graduação de seus alunos idem, porem deverá fazer o registro dos alunos na organização, conforme registro no site (www.tadu.com.br), salvo faixa roxa, marrom e preta que 50% será destinado à organização que delegará uma comissão para formar a banca examinadora;
  • Exame de graduação poderá ser realizado apenas por faixa preta com o alvará anual em dia, exames de faixa verde em diante deverá ser montado a banca examinadora, a banca não deverá ser composta por graduados inferiores ao graduando. Exame de faixa preta só poderá ser realizado pelo Shihan , Presidente da Organização ou professor por ele nomeado
  • Não será permitido uma faixa preta realizar exame de faixa similar ou superior, ex: o exame de faixa preta 1º Dan só poderá ser realizado no mínimo por faixa preta 2º Dan e banca examinadora e assim por diante;
  • Todo atleta TADU de PÓLIC KOMBAT deverá ter em mãos o cartão de identificação, no caso professores ou estagiários remunerados deverão possuir o cartão alvará do local de treino. (Pagamento pode ser mensal ou anual).
  • Certificados só serão validos, impressos pela organização TADU, o professor deverá fazer o pedido, se necessário, porém deverá manter o cadastro de seus alunos atualizados conforme graduação;
  • O local de treino deverá atender ás exigências da organização, não podendo ser realizados em lugares impróprios;
  • Uniformes e nome das equipes deverão passar por aprovação da organização TADU, devendo manter as normatizações;
  • Os projetos sociais deverão manter a padronização, seguindo todas as etapas estipuladas;
  • As faixas camufladas não serão permitidas em aulas e campeonatos, salvo para apresentações. Esta é exclusiva dos praticantes de Pólic Kombat em treinamentos externos, cursos (Defesa Urbana, Contenção Hospitalar, Bastão Tonfa, etc.). A cor é padrão, porem cada grau representa uma cor de graduação, ex. um grau representa a faixa branca, dois graus representa a faixa azul, três graus representa a faixa verde, quatro graus faixa roxa, cinco graus faixa marrom e seis graus faixa preta (Professor de Pólic Kombat).
  • Dúvidas serão atendidas pelo site (tadu.com.br) via chat, e-mail ou msn- Julio@tadu.com.br, tadu@tadu.com.br e (14)9726-6999.

 

  1. Da Direção, Coordenação e Instrutores:

 

  • O Diretor responsável do TADU (Técnicas Avançadas de Defesa Urbana); responsável representante legal da organização é Julio Mesquita da Silva, podendo ser substituído apenas por professor nomeado por este.
  • O Coordenador do TADU, deverá ser nomeado pelo diretor, ser o praticante mais graduado;
  • As aulas serão desenvolvidas por professores que possua a graduação correspondente e a devida autorização;
  • As aulas serão ministradas em locais apropriados e equipamentos que garantem um bom desempenho e segurança da aplicação dos processos pedagógicos.

 

 

“QUE DEUS ABENÇÕE A TODOS E QUE MEUS

ENSINAMENTOS SEJAM EMPREGADOS APENAS PARA A PRÁTICA

DO BEM”

 

JULIO MESQUITA DA SILVA                                                              .                                             Shihan T.A.D.U.

 

“Na verdade na verdade vos digo, quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não entrara em condenação, mas passara da morte para a vida” João 5.24

“TADU/BANDSPORT AQUI  SE CONTROI UM CORPO FORTE UMA MENTE SADIA E UM

CORAÇÃO VOLTADO A DEUS’

 

 APOSTILA

8ª Edição / 2015

 

                 APOSTILA ORIGINAL –

 

 


dezembro 2017
D S T Q Q S S
« nov    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
Pular para a barra de ferramentas